segunda-feira, 31 de julho de 2017

Artur Neto e David Almeida trocam farpas publicamente

David Almeida respondeu em tom irônico à Carta Aberta do prefeito Artur Neto ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. No documento, o representante municipal bradou que o governador estaria “antecipando, aos quatro ventos”, que Lewandowski cancelaria as eleições diretas do próximo domingo, dia 6 de agosto.

Ao ser questionado pela imprensa local, Almeida contou que no último domingo estava em Parintins e que não leu nada sobre isso, mas que algumas pessoas ligaram para o próprio e o informaram acerca do episódio.
“Só vou responder à carta dele às quatro horas da tarde (16h), que é a hora que ele acorda para trabalhar. Eu acordo às 4 da manhã (4h) e não tenho tempo para brigar”, rebateu o governador.
“O povo do Amazonas cansou dessa política e não agüenta mais esse tipo de gente. O cara diz que briga aqui com um e depois está junto daquele com quem brigou. Aí na eleição, se é conveniente, ele que era inimigo do atual candidato dele, que passou a vida toda brigando, agora está junto”, comentou ele, que foi além.
“Prefeito, quero te chamar para cuidar de Manaus. Me ajude a diminuir a passagem de ônibus. Eu te chamei na primeira semana (de seu mandato interino) a ajudar o povo de Manaus. Não quero brigar com você, e sim ajudar a população do meu Estado. Você que quer brigar, encontre alguém pra brigar. Eu quero brigar contigo mas para enfrentar os problemas dos buracos de Manaus. Estamos acessando recursos de R$ 300 milhões.Se o senhor me permitir, me permita ajudar o senhor a tapar os buracos da Zona Leste”, disse o governador.
Na carta a Lewandowski, publicada no Facebook, o prefeito de Manaus diz que David tem contribuído para o quadro de crise no Amazonas. " Vive a fixação de se manter no poder a qualquer preço, esquecendo-se de que o destino lhe reservara a missão nobre de dar início ao processo de normalização de um estado que sangra dolorosamente. Seus dias são desperdiçados batendo perna em caríssimos escritórios de advocacia de Brasília".
Na carta, Artur chega a afirmar que, quando senador, articulou votos para que Lewandovski fosse conduzido ao STF, e que só publicou a carta nas redes sociais porque não obteve retorno com as ligações, e mensagens via  SMS e WhatsApp.