sexta-feira, 9 de junho de 2017

Fux prega consciência e desafia ministros a contestarem relator na hora do voto

O ministro Luiz Fux saiu em defesa do relator e impôs o desafio de que os colegas provassem em seus próprios votos que Herman expôs pontos ausentes ou diferentes do relatório e dos autos.

Quem achar que as indicações do relator não está no processo terá que antes demonstrar isso em seus votos por consciência. Não dependemos do voto do relator para julgar. Dependemos da nossa consciência, da nossa independência — defendeu.
Herman Benjamin expôs a sua irritação com o comentário do ministro Admar Gonzaga, que insinuou que o relator havia mudado o que falara na sessão anterior. Ele havia acabado de reclamar que Herman não entregou seu voto aos colegas antes do julgamento.
— Eu o respeito muito. Vossa Excelência quer se prender ao acessório do acessório. Se é para retirar depoimento do Marcelo Odebrecht e de todos os outros, que se diga abertamente. Mas buscar as minúcias das minúcias... Não é isso que vai levar alguém a mudar de opinião sobre as provas do processo — rebateu Herman.