quinta-feira, 8 de junho de 2017

Após reajuste, botija de gás pode custar até R$72 em Manaus

Após o comunicado da Petrobras, na manhã desta quarta-feira(7), a respeito do reajuste do valor da botija de gás em6,87%, já nesta quinta-feira (8), o portal Na Tribuna entrou em contato com a Federação das Empresas Revendedoras de Gás Liquefeito do Amazonas (Fegás),

que informou os valores que devem entrar em vigor, somente a partir da próxima segunda-feira (12), em Manaus, devido ao estoque de produtos nas revendedoras. O preço pode variar de R$68 a R$72 para uma botija de 13kg. 
No entanto, a Federação já entrou com uma ação no Ministério Público Federal(MPF), por conta do valor de compra do gás pelas distribuidoras, que – segundo a Fegás – é muito barato. O presidente da instituição, Fernando Feitoza, contou ainda que a federação não concorda com esse valor porque o gás de cozinha é uma necessidade básica e não deveria ter um preço tão alto à população.
“Triste saber que essa decisão foi tomada, o que prejudica muito os manauenses. Atualmente, o valor já é bastante alto para o bolso da população. A botija de gás já varia entre R$60 e R$65. Para quem ganha um salário mínimo, isso é muito caro”, relatou.
Fernando ainda explicou que a Fegás foi em busca de informações a respeito do valor que as refinarias vendem para as distribuidoras. “Descobrimos que é muito barato e o lucro das distribuidoras é bastante alto. Os valores do gás são em torno de R$16 a R$26, e aqui em Manaus, essas empresas querem vender para os revendedores a R$50”.
Após essa descoberta, a Fegás entrou com uma ação no MPF para uma apuração desses valores. “Entramos com uma ação há quase dois meses e estamos esperando retorno. Se der tudo certo, vamos poder diminuir e fazer com que o preço dessa botija seja mais justo”, disse.
O EM TEMPO entrou em contato com a assessoria do MPF que deve repassar, ainda nesta quinta-feira (8), como está a tramitação do processo ingressado pela Fegás.
Entenda
A Petrobras anunciou nesta quarta uma nova política de preços para o gás de botijão, que passará a ser reajustado mensalmente. Este mês, os preços serão aumentados em 6,7%, já a partir desta quinta-feira (8). Próximos reajustes ocorrerão no dia 5 de cada mês, diz estatal. Preço ao consumidor dependerá de repasses das distribuidoras.
A nova política de preços para o gás de cozinha institui uma fórmula que considera as cotações europeias do butano e do propano -gases obtidos a partir do refino de petróleo que compõem a fórmula do gás liquefeito de petróleo (GLP, o nome técnico do gás de cozinha).

Bruna Chagas