quarta-feira, 26 de abril de 2017

TRE considera improcedente processo contra Melo por uso de força policial

O processo que pede a cassação do mandato do governador José Melo (PROS), por uso de força policial em seu favor na campanha eleitoral de 2014, foi considerado improcedente pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Os membros da Corte seguiram o parecer da relatora, a juíza federal Marília Gurgel Rocha de Paiva e Sales, que considerou que a ação policial não influenciou no resultado do pleito. A denúncia foi apresentada pela coligação ‘Renovação e Experiência’, que teve o senador Eduardo Braga (PMDB) como candidato ao governo do Estado.

Nos autos do processo, o Ministério Público Eleitoral (MPE) diz que policiais militares, armados e sem mandado judicial, forçaram cabos eleitorais a suspender a distribuição de propaganda lícita de Braga, destruindo e apreendendo o material de campanha. O advogado da coligação, Marco Aurélio Choy, disse que vai recorrer da decisão do TRE. Ele sustenta que a polícia militar foi usada para fins eleitorais em favor do governador e seu vice, Henrique Oliveira (SDD). 

Outro processo No dia 2 de maio, deve ser julgado outro processo contra o governador José Melo.  Nesta terça-feira (25/04), o corregedor-geral, desembargador João de Jesus Abdala Simões, fez a leitura do relatório da Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) 2171-22.2014, que trata de abuso de poder econômico e político durante a campanha eleitoral de 2014. Melo é acusado pela coligação ‘Renovação e Experiência’ de ter se favorecido de reunião com os gestores das escolas estaduais, realizada com o intuito de angariar votos para o candidato.