segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Executado com tiro na cabeça no Tarumã, Pistoleiro de João Branco

Integrante de grupo de extermínio do narcotraficante ‘João Branco’, Thiago Alves Abrantes, 25, foi executado com um tiro na cabeça, na madrugada deste domingo (12), após deixar uma casa de show, na Avenida do Turismo, bairro do Tarumã, zona oeste de Manaus. Thiago foi apontado pelo Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), em 2015, como um dos responsáveis de um grupo quepraticava homicídios na capital e estava foragido da prisão desde maio do ano passado.
Segundo a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Thiago estava saindo de uma casa de shows com duas mulheres quando dois homens, ainda não identificados, desceram dos carros, de modelo Ethios e outro Honda Civic, e efetuaram vários disparos contra o Thiago. Um dos tiros atingiu a cabeça da vítima, que morreu no local. Duas outras pessoas, segundo a DEHS, também foram atingidas pelos atiradores, mas passam bem.
A família de Thiago foi procurada pelo DIÁRIO, na rua São Roque, no bairro Alvorada, onde moravam, mas não foi encontrada.
Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), Thiago estava preso há um ano, no Centro de Detenção Provisório de Manaus (CDPM), acusado de porte ilegal de armas. Ele fugiu da penitenciária, junto comoutros 38 presos, no dia 2 de maio do ano passado.
Na época da prisão do grupo de extermínio, o delegado do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO) Rafael Allemand, afirmou que Thiago e outros seis acusados eram responsáveis por pelo menos 60% doshomicídios praticados no início de 2015. De acordo com o delegado, o bando se passava por policiais civis.
Segundo a DRCO, tinham sido encontradas, com o bando, cinco pistolas de calibre 840 e uma submetralhadora. A delegacia ainda apreendeu dois revólveres calibre 38, dez munições de calibre 980, 114 projéteis de pistola calibre 9 milímetros, cerca de R$ 22 mil, quatro carros e uma motocicleta. Em consulta ao site do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), consta um processo em nome de Thiago na Vara de Execuções Penais (VEP) da capital.