segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Rio Preto da Eva avança na implantação da Nova Matriz Econômica Ambiental com foco na cadeia produtiva da Piscicultura e Fruticultura

Com um volume de produção de pescado, em torno de cinco mil toneladas, ao ano, o município de Rio Preto da Eva  (a 79 quilômetros de Manaus) deu um novo passo rumo ao crescimento do setor primário.
O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria Estadual de Produção Rural (Sepror), assinou um Acordo de Cooperação Técnica com a Prefeitura do município para a elaboração do planejamento estratégico de desenvolvimento agropecuário junto à Nova Matriz Econômica Ambiental. 

A assinatura do Termo aconteceu na Secretaria Municipal de Educação do município e contou com a participação de representantes de órgãos estaduais e municipais do setor primário e produtores rurais. Entre as tratativas do Acordo está o apoio no fomento e na assistência técnica de projetos que visam impulsionar o trabalho dos produtores rurais na cidade. Além disso, o acordo prevê a criação de um Centro de Alevinagem em Rio Preto da Eva e a transformação da Estação de Balbina em um Centro de Tecnologia e Produção de peixes. 

O trabalho vai contar com o apoio dos órgãos que compõem o sistema Sepror, como a Secretaria Executiva de Pesca e Aquicultura (SEPA); Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (ADAF);Agência de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (ADS) e do Instituto de Desenvolvimento Agrário e Florestal do Amazonas (Idam). 

“Essa é uma iniciativa importante e estamos fazendo um esforço entre o Governo do Amazonas montando uma parceria promissora junto a Prefeitura de Rio Preto da Eva. E essa parceria envolve o setor público e privado com a participação da Embrapa, que tem concedido suas tecnologias. Queremos fortalecer, dessa maneira, as produções da piscicultura e fruticultura no contexto da Nova Matriz Econômica no município, que é exemplo na produção desses segmentos”, explicou o secretário da Sepror, Hamilton Casara. 

Segundo o Idam do município, cerca de R$ 150 milhões do Produto Interno Bruto (PIB) da cidade são oriundos do setor primário. A cidade tem em torno de 50% da população residindo na zona rural e possui uma seara econômica promissora nos polos da fruticultura e piscicultura, conforme enfatiza o gerente do Idam local, Frade Junior. 

"A produção de laranja passa de 1,5 mil hectares de áreas plantadas, chegando a 150 milhões de frutos ao ano. Só a laranja representa uma receita bruta de R$35 milhões para o município. Já a piscicultura responde por R$32 milhões, a produção de grama por R$30 milhões, e a banana R$27 milhões. Rio Preto é um município agrícola e nada melhor do que dar o pontapé inicial nesses trabalhos da Nova Matriz". 

Frade lembra que outra frente de trabalho já executada no município foi a mecanização. Atualmente, Rio Preto da Eva possui 600 hectares de terras mecanizadas com o uso do calcário, o que viabiliza mais celeridade no desenvolvimento de diversas culturas agrícolas. "Fomos o município que teve o maior destaque na mecanização do Estado. Conseguimos no ano passado elaborar vários projetos e mecanizar áreas da agricultura familiar que ajudou o produtor a melhorar suas plantações de açaí, banana, entre outras". 

Cadeia produtiva- Rio Preto da Eva, que tem em média mil produtores de piscicultura e fruticultura, é um dos maiores fornecedores de laranja e banana para as feiras e mercados de Manaus. Segundo o prefeito Anderson Souza, o agronegócio será incentivado neste ano para fomentar a cadeia produtiva do município. 

"Estamos com uma equipe do município trabalhando com a equipe do (Governo) do Estado em um projeto produtivo para lançarmos, em breve, para que, assim, os bancos possam de fato trabalhar as nossas feiras, como a da Piscicultura, que vai acontecer em março. Além dela, temos a (feira) da laranja que vai acontecer em julho, e a feira da banana que será em outubro. São eventos que vão dar uma força no agronegócio e que os agentes financeiros, como os Governos do Estado e Federal, estarão presentes para que possamos melhorar e ter uma independência na produção de alimentos". 

Alevinos-  Durante a reunião com os representantes, a Sepror distribuiu 90 mil alevinos de tambaqui para impulsionar o trabalho dos pequenos produtores da localidade. Para os agricultores as ações desenvolvidas  devem retomar o crescimento em suas propriedades, conforme afirma o piscicultura Antônio Silva. "Esse apoio ajuda muito nossa produção porque faz a gente crescer no trabalho. Estou no ramo há cinco anos e pretendo abrir mais tanques e se tornar um grande produtor rural. Mas pra quem começou do zero já está um bom encaminhamento".

Ao receber os alevinos, o produtor Amauri Farias, 61, disse que vai retomar os trabalhos no Ramal São Benedito, a 5 quilômetros da Sede do município. "Nossa esperança é sair dessa crise e buscar melhorar meu trabalho porque não está fácil. Foi bom receber essa ajuda, mas vamos aguardar também as outras ações que estão planejando para ajudar a gente". 


Matriz econômica  - A Nova Matriz Econômica Ambiental está contemplada no pacote de R$ 950 milhões que o Governo do Estado tem em caixa para investimentos, neste ano, oriundos de empréstimos junto ao Governo Federal. O recurso deve viabilizar o desenvolvimento de projetos na capital e no interior voltados para a área de agricultura, infraestrutura e piscicultura.