sábado, 21 de janeiro de 2017

O Governo do Amazonas vai disponibilizar este ano recursos na ordem de R$ 25 milhões em financiamentos para custear investimentos nas atividades rurais. As ações são executadas pela Agência de Fomento do Amazonas (Afeam) com a parceria técnica do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (Idam), que está presente em todos os municípios do Estado.

Em 2017, o serviço de crédito rural traz algumas novidades como a ampliação das linhas de crédito, que terão recursos específicos para atender os Distritos Municipais de Cabori, Mocambo e Vila Amazônia, pertencentes ao município de Parintins (a 369 quilômetros de Manaus), e Vila do Engenho em Itacoatiara (a 176 quilômetros de Manaus). Essas regiões são altamente produtoras no setor da pecuária, agricultura mecanizada, fruticultura e piscicultura. 

De acordo com o engenheiro agrônomo e gerente de Crédito Rural do Idam, Pedro Chaves, neste primeiro momento, equipes do Idam e Afeam estão reunindo com técnicos que atuam na Região Metropolitana de Manaus, para discutir dotação orçamentária para aplicação de crédito rural 2017, além das mudanças nos procedimentos que serão adotados na elaboração, análise e contratação de projetos. 

“Nosso papel é facilitar o acesso do público beneficiário nas linhas de crédito oferecidas pelo agente financeiro, para que o produtor possa investir no custeio das atividades agrícolas, florestais, pesqueiras, pecuária, piscicultura, além da aquisição de máquinas e equipamentos e a infraestrutura de apoio a produção”, disse Pedro. 

Linhas de crédito Dos R$ 25 milhões disponibilizados para financiamentos no setor primário, R$ 14,4 milhões serão direcionados para a linha de microcrédito Banco do Povo, que oferecerá a agricultores do Amazonas financiamentos de até R$ 15 mil, com juros de 3% ao ano. Segundo Pedro Chaves, os agricultores ainda poderão ter acesso a outras linhas de crédito acima de R$ 15 mil, que são créditos de varejo. Além disso, também poderão contar com recursos disponíveis para projetos estruturantes destinados a cadeias produtivas, custeio e comercialização, além de recursos na ordem de R$ 5 milhões para investimentos em agroindústria, feiras e exposições agropecuárias.