terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Morte de crianças soterradas chocam moradores de área de risco

Durante a forte chuva que atingiu a capital amazonense na manhã desta terça-feira (27), quatro crianças e um adulto morreram soterrados. Em um dos casos registrados, quatro das vítimas eram da mesma família. As tragédias aconteceram na Zona Leste de Manaus.

Um dos casos que deixou os moradores consternados foi registrado na rua 11 de setembro, onde a dona de casa Maria do Socorro da Costa Protásio, 42, e as filhas Sâmila, Samiele e Sâmile Costa de Castro, de 8, 10 e 14 anos, morreram após um barranco cair sobre, pelo menos, quatro casas.
De acordo com o Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM), depois de quase três horas de trabalho incessante, as equipes conseguiram retirar os corpos das quatro vítimas.
Sabrina Costa Protásio, 17, e Samir Costa Castro, 13, também estavam no imóvel, mas conseguiram sair do local antes do desabamento.
O vizinho das vítimas, o auxiliar de serviços gerais Antônio Leno, 41, contou que estava em sua residência quando ouviu um forte barulho. Ao sair para ver o que estava acontecendo, viu o barranco já se desfazendo por cima da casa das vítimas.
“Ouvi um forte barulho por volta das 10h30 e, ao sair, me deparei com o barranco em cima da casa deles. Fiquei desesperado. Foi uma tragédia”, disse o auxiliar e serviços gerais.
A retirada dos corpos das vítimas foi marcada por muita comoção. O pai das crianças, que não teve o nome divulgado, estava em estado de choque e preferiu não comentar sobre a fatalidade.

A mãe do pequeno Gabriel contou que o filho estava dormindo no momento que o barranco caiu sobre a casa – foto: Marcio Melo
A outra ocorrência de soterramento foi registrada no bairro Zumbi 1 e teve como vítima o pequeno Gabriel, de apenas 8 anos.
A mãe da criança, a dona de casa Valdinéia Ferreira de Aguiar, 30, disse que enquanto ela estava fazendo outro filho dormir em um compartimento da casa, Gabriel dormia em um dos quartos quando o barranco caiu em cima do local.
“Eu estava deitada fazendo meu outro filho dormir, quando de repente o barranco caiu em cima do quarto onde Gabriel estava. Os vizinhos tiraram ele do barro, mas meu filho morreu, não sei o que vou fazer. Moro nessa casa há um ano e essa primeira vez que acontece isso”, contou a mulher aos prantos.


Mara Magalhães
Portal EM TEMPO