sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Em 2016 Denarc apreendeu mais de duas toneladas de drogas

Em 2016, as ações do Departamento de Investigação sobre Narcóticos (Denarc) apreenderam 1,9 tonelada de drogas, entre cocaína, maconha e drogas sintéticas. 

Além dos entorpecentes, foram apreendidas pelos policiais civis, 37 armas de fogo, dentre elas: dois fuzis de guerra, metralhadoras, espingardas calibre 12, revólveres de usos restrito e permitido, além de pistolas de uso restrito das polícias. Também foram confiscadas 714 munições intactas, 37 veículos, entre carros e motocicletas; quatro embarcações utilizadas para o transporte de material ilícito pelos rios do estado, cerca de R$ 600 mil em espécie, US$ 562 e € 400. Durante as ações policiais ,117 pessoas foram presas e outras 188 foram indiciadas por envolvimento com o tráfico de drogas no Amazonas.
Segundo o diretor do Denarc, o balanço das apreensões de substâncias entorpecentes do ano corrente superou ao do ano passado, quando o departamento foi criado, em 1º de fevereiro. Desde a criação do Denarc a dezembro de 2015 foi apreendida cerca de 1,579 tonelada de drogas, entre maconha e cocaína. Mavignier ressaltou que o departamento encerra as atividades de 2016 com êxito.
“Houve uma evolução muito grande no departamento na questão da repressão ao tráfico de drogas na cidade. Esse trabalho foi voltado não só para o combate ao crime organizado, que utiliza, na grande maioria dos casos, cocaína e maconha, mas intensificamos, também, o combate ao tráfico de drogas sintéticas, utilizadas em raves, flutuantes e boates. Temos uma preocupação muito grande no departamento em reprimir essa modalidade criminosa que nos assusta por conta da facilidade de transportar essas drogas, por ser um material muito pequeno, diferente da cocaína e maconha que o volume é muito maior”, explicou Mavignier.
Casos de destaque
O diretor do Denarc ainda apontou três situações onde ocorreram as maiores apreensões de armas de grosso calibre, dinheiro em espécie e substâncias entorpecentes.

O primeiro caso aconteceu no dia 21 de setembro, quando as equipes do Denarc, em conjunto com os policiais civis que atuam na 31ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Iranduba (a 27 KM de Manaus) prenderam, em flagrante, o peruano Nelson Ozório Curico, 45; Adaldino de Souza dos Santos, 33; Hivan Sousa de Almeida, 24, e Gilberto Santos da Costa, 37, por associação criminosa e posse ilegal de arma de fogo de uso restrito.

Com o bando foram encontrados cerca de R$ 463 mil em espécie, um fuzil calibre 7.62, um fuzil calibre 556, duas pistolas nove milímetros, uma pistola PT 840, uma pistola PT.40, 99 munições de fuzil intactas, 62 munições intactas de nove milímetros, 117 munições de PT.40 e seis munições de PT 380. Ao longo da ação policial também foi apreendida a lancha utilizada pelo bando, com motor 350 V8, avaliado em cerca de R$ 120 mil.
O segundo caso foi no dia 1º de novembro, quando apreenderam uma espingarda calibre 12 e 30 cartuchos intactos, uma metralhadora calibre nove milímetros com 20 munições intactas, uma pistola 380 com 12 munições intactas e uma deflagrada, uma pistola PT.40 e 105 munições intactas, um revólver calibre 38 com seis munições intactas e um rifle calibre 38, utilizados no crime organizado na cidade.
E o 3º caso ocorreu no dia 14 de novembro, quando as equipes do Denarc, em ação conjunta com servidores da Seai, prenderam, em flagrante, Manoel da Silva Lima, 57; Ricardo Tavares dos Santos, 26; Adrielson de Matos Oliveira, 27, e Agenor Correa Miranda Filho, 21, por tráfico de drogas. Com o bando foram apreendidos, aproximadamente, 600 quilos de substâncias entorpecentes, entre pasta base de cocaína e maconha.
Mavignier disse que os infratores foram interceptados no momento em que o barco de pesca, onde eles estavam, encostou na balsa de embarque e desembarque da orla da Manaus Moderna. As drogas estavam escondidas embaixo do gelo.

Com informações da assessoria