quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

28,6 mil casas em Manaus estão situadas em áreas de risco

Mais de 28.668 unidades habitacionais estão localizadas em áreas consideradas de vulnerabilidade, segundo a Defesa Civil municipal. Um levantamento realizado pelo Serviço Geológico do Brasil aponta que as zonas Norte e Leste lideram o número de áreas de risco geológico em Manaus.

 Na terça-feira (27), o órgão de defesa atendeu cerca de 130 ocorrências relacionadas ao temporal que caiu na cidade, sendo a maioria de deslizamento de barrancos e alagamentos. O caso mais grave ocorreu  no bairro Nova Vitória, Zona Leste, onde uma mãe, de 42 anos, e três filhas, de 8, 10 e 14 anos, foram mortas soterradas.



De acordo com um levantamento da Defesa Civil de Manaus - que classifica as áreas de risco em quatro níveis, conforme o grau de insegurança das localidades - 23,37% das edificações da capital estão situadas em áreas consideradas de risco alto (R3), com 6.732 imóveis.
A maioria das construções - um total de 12.396, que representa 40,89% - estão em áreas de risco médio (R2). 

A quantidade de edificações em risco considerado muito alto chega a 1.451, equivalente a 6,14%. A Defesa Civil também mapeou as edificações que estão em áreas de inundação, que totalizam 21,32%, com 5.626 construções.

O levantamento da Defesa Civil leva em consideração áreas de risco que têm prejuízos por conta de chuvas. Já o CPRM mapeou as localidades vulneráveis levando em conta ainda os locais que registram estragos em virtude da cheia dos rios. Com base nisso, o último levantamento do Serviço Geológico do Brasil identificou 35.620 edificações, entre moradias, estabelecimentos comerciais, indústrias, prédios públicos e outros, em locais de risco.

Ao todo, o CPRM identificou 735 setores de risco na capital. Das edificações em locais de vulnerabilidade geológica, 8.180 estão categorizadas em áreas de risco alto ou muito alto. O estudo estima que 90% das edificações são residenciais e ocupadas, em média, por quatro moradores, totalizando mais de 128,2 mil pessoas vivendo em áreas de risco na cidade. A estimativa é feita com base na pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) realizada em 2010.
 Segundo o CPRM, o último levantamento foi realizado em 2012 em parceria com a Prefeitura. Durante a pesquisa, as zonas Norte e Leste foram identificadas com maior número de áreas de risco da capital. Junto à Defesa Civil municipal, foram registrados 1.404 casos de deslizamento entre os anos de 2009 e 2011, sendo 613 na Zona Leste e 458 na Norte.


Os dados revelam que no mesmo período foram 1.338 ocorrências de inundação, onde 51% ocorreram nas zonas Norte e Leste. O levantamento mostra que na Zona Leste, os bairros Jorge Teixeira, Mauazinho e Gilberto Mestrinho possuem maior concentração de áreas de risco. Já na Zona Norte são os bairros Colônia Terra Nova, Santa Etelvina, Cidade Nova, Nova Cidade e Cidade de Deus que apresentam mais áreas de vulnerabilidade.

Por meio de nota, a Defesa Civil municipal informou que realizou trabalhos de prevenção a desastres e que algumas famílias que moravam em áreas de alto risco foram retiradas e encaminhadas por secretarias para aluguel social ou casas em projetos sociais.

Ainda segundo o comunicado, 11 áreas de barrancos já foram recuperadas em Manaus e um novo levantamento para atualizar as informações dessas áreas já esta sendo estudado.